Em que país mora a melhor mãe do mundo?

Pesquisa explora as diferentes maneiras utilizadas por mães para mostrarem seu amor ao redor do mundo.

Uma mãe pega seu bebê chorando e o balança para trás e para frente; outra vira as costas deixando seu bebê chorando sozinho.

As duas mães amam seus filhos mas expressam esse amor em formas diferentes.

Explorar as diferentes formas do amor de mãe é o foco da pesquisa de Jennifer Lansford’s. Para ela, todo dia, de 2008 a 2013, tinha sido Dia das Mães.

Lansford, uma professora de psicologia e antropologia cultural na Universidade de Duke na Carolina do Norte, pesquisou aproximadamente 1400 mães e filhos em nove países diferentes. Na metade de seu projeto de 10 anos, alguns contrates fascinantes estão emergindo.

“Universalmente, uma das tarefas-chave da maternidade é fazer com que os filhos se sintam amados, aceitos e valorizados, e isso acontece independentemente do contexto cultural. Mães que são capazes de fazer isso com sucesso terão crianças mais bem ajustadas”, ela diz.

O modo específico como mães fazem isso, contudo, difere de cultura para cultura.

Nos Estados Unidos, por exemplo, uma boa mãe é reativa, Lansford diz.  Ela responde à necessidade dos seus filhos, alimentando ou trocando suas fraldas quando eles choram. Em contraste, uma boa mãe no Japão é proativa, tentando antecipar as necessidades de seu bebê antes que ele chore.

“Mães japonesas tentam prevenir o choro antes que ele aconteça”, diz Lansford. “Elas diriam ‘Minha criança geralmente come a cada duas horas então é provavelmente hora de alimentá-la’.

“Quando as mães no Japão têm essa maneira mais antecipada de interagir com as crianças, elas criam uma conexão interdependente. Ao contrário dos Estados Unidos, (onde) se a mãe está esperando que a criança mostre angústia antes de responder, ela está ensinando a criança a expressar necessidades … Ela confia mais na criança para ser independente. ”

Lansford reconhece que sua pesquisa faz generalizações culturais e adverte contra conclusões radicais porque há uma variação significativa dentro dos países e culturas.

Enquanto as mães americanas tendem a expressar calor diretamente por serem fisicamente afetuosas e louvando a criança, as mães em outras partes do mundo o fazem indiretamente.

“Em Bangladesh, uma mãe descascará uma laranja ou uma maçã com muito cuidado e apresentará os pedaços à criança. A criança reconhece que a mãe está fazendo algo especial para ela e interpreta claramente a ação como uma expressão de amor: “Minha mãe me ama tanto que ela está fazendo esse esforço especial para mim”, diz Lansford.

Na Escandinávia, as mães encorajam seus filhos a serem independentes, oferecendo amplas oportunidades para tomar decisões.

Em outros países, como o Quênia, os pais esperam que os filhos sejam obedientes e complacentes. Embora em alguns casos esse comportamento esteja ligado a preocupações de segurança (“Venha para casa imediatamente!”), Lansford diz que essas culturas tendem a ser mais coletivistas, onde os desejos pessoais das crianças não são tão importantes quanto a harmonia do grupo e o bem da família como um todo.

“Não há uma maneira que seja melhor que outra”, diz ela. “São apenas maneiras diferentes de abordar as relações familiares e as diferentes formas de compreender as crianças”.

Lansford começou estudando famílias de imigrantes que trazem suas técnicas de criação de filhos para um novo país.

“Práticas parentais que são perfeitamente aceitáveis ​​em um país podem até se tornar definidas como abusivas ou negligentes em um contexto cultural diferente”, diz ela.

Isso pode causar estresse tanto no pai quanto no filho.

É por isso que, se solicitado a tirar uma conclusão sobre diferentes técnicas parentais ao redor do mundo, Lansford diz que tudo se resume ao contexto.

“Se os pais estão tratando seus filhos de uma forma que é normativa em um contexto cultural … então isso está relacionado a melhores resultados de adaptação para as crianças”.

Fonte: Traduzido de The Star

Jaubert Gapski

Autor: Jaubert Gapski

Viciado em viajar e em falar alemão, viciado em família também, nas horas vagas.

Compartilhe esta página

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *